Arquivos

Tag: patinetes elétricos

Patinetes elétricos invadem as cidades brasileiras

Utilizado como um meio alternativo de transporte, a proliferação dos patinetes elétricos tem causado grande desconforto e preocupação naqueles que trabalham na gestão e segurança do trânsito. Afinal, seriam, mesmo, estes equipamentos, motivo para tanto rebuliço?

Se você gosta de ler conteúdos como este, clique aqui e cadastre gratuitamente seu e-mail.

O que são Patinetes Elétricos

Não há, na legislação de trânsito ou suas regulamentações agregadas, algo que defina PATINETE, isoladamente, ou mesmo PATINETE ELÉTRICO.

Ao consultar em dicionários da língua portuguesa, encontramos definições como:

PATINETE – Substantivo feminino: Veículo infantil que consiste numa tábua montada em duas rodas e munida de haste de direção (Dicio, dicionário online da língua portuguesa).

PATINETE – Brinquedo que consiste numa tábua com duas rodas no sentido do comprimento, sobre a qual se apoia um dos pés, dando-se impulso com o outro (Michaellis, dicionário da língua portuguesa).

PATINETE ou TROTINETA – é um meio de transporte, que é constituído por duas rodas em série, que sustentam uma base onde o utilizador apoia os pés, guiando-o através de um guidão que se eleva até a altura da cintura (Educalingo, dicionário online da língua portuguesa).

Logo na primeira definição, nos deparamos com algo que já nos chama a atenção: patinete é um substantivo feminino. Portanto, é adequado que utilizemos um artigo que concorde com seu gênero gramatical: A patinete.

Também é possível observar a diversificação na definição de PATINETE, onde temos: no primeiro caso, o uso do termo “veículo infantil”; no segundo, “brinquedo”; e no terceiro, “meio de transporte”.

Por fim, percebemos a concordância, entre estas três definições, quando se descreve a patinete como sendo algo constituído de 1 uma base (tábua de madeira ou algo similar), 2 duas rodas e um 3 guidão que permita sua condução direcional.

Não há, em qualquer dicionário, a definição da referência composta dos termos PATINETE ELÉTRICA. Entretanto, podemos facilmente entender que este último elemento se dá pelo fato dessa patinete ser equipada com um motor elétrico que o propulsiona.

Por que as patinetes elétricas estão incomodando tanto?

Basicamente, são três os motivos que têm causado tanta polêmica acerca da utilização destes equipamentos:

1. Proliferação desenfreada: para fugir do péssimo sistema de transporte público que temos, os usuários viram, nas patinetes, um modal alternativo, barato e feito num equipamento de fácil operação. Obviamente que temos aí elementos suficientes para explicar o aumento repentino destes dispositivos.

Mas, até onde isso representa um PROBLEMA, tecnicamente dizendo? Consideremos que estas pessoas precisam se deslocar de alguma maneira. Não sendo nas patinetes, inevitavelmente será de outras formas, as quais, até então, não se mostraram eficazes;

2. Seu trânsito entre veículos e pedestres: se entre os pedestres, as patinetes podem oferecer algum risco, entre os demais veículos seus usuários estão sujeitos a riscos. Contudo, não consigo constatar, nesse ponto, algo que seja motivo de maior preocupação.

Afinal, o trânsito é composto de veículos diversos, tais como: bicicletas, veículos de tração animal, motocicletas, automóveis, ônibus, caminhões e outros veículos de grande porte e, em meio a todos estes, os pedestres.

O próprio Código de Trânsito Brasileiro (CTB) estabelece uma hierarquia de responsabilidades entre estes usuários, considerando sua classificação quanto ao porte e vulnerabilidade, veja:

CTB, art. 29, § 2º Respeitadas as normas de circulação e conduta estabelecidas neste artigo, em ordem decrescente, os veículos de maior porte serão sempre responsáveis pela segurança dos menores, os motorizados pelos não motorizados e, juntos, pela incolumidade dos pedestres.

3. Falta de regulamentação: apesar de concordar que toda a utilização do trânsito necessita de regulamentação, não vejo esse caso como algo que demande tanta urgência.

Digo isso porque vejo questões bem mais relevantes, para a segurança e ordem do trânsito,  ignoradas pelo poder público há anos e anos.

Cito, como exemplo, a situação dos equipamentos obrigatórios para a condução de motocicletas (e similares) que estão à mercê da “boa vontade” do Contran, desde a vigoração do CTB (1998) – são mais de vinte e um anos.

Considere-se que: NADA tem causado mais mortes no trânsito do que os acidentes com motocicletas.

Reforço que, de todo, não está sem regulamentação o trânsito das patinetes (ou similares) que, apesar de poucas, conta com regras para sua circulação. Seguem conforme apresento nos slides utilizados em minhas videoaulas e que disponibilizo para sua aquisição aqui:

Conclusão

Bastam alguns poucos cliques navegando pela internet, e redes sociais, para nos depararmos com alguma postagem ou publicação sobre as patinetes elétricas.

Está sendo levantada uma polêmica, acerca disso, que eu penso ser EXAGERADA.

Criar todo esse rebuliço em torno de algo de tão pouca relevância para a segurança e fluidez do trânsito, certamente vai causar efeitos colaterais indesejados.

Pense: tudo que os parlamentares querem é uma boa oportunidade de se colocarem em EVIDÊNCIA. Não tenha dúvida que logo logo teremos uma meia dúzia fazendo lobe em cima da polêmica das patinetes – cuidar da segurança do trânsito nunca foi a prioridade dessa turma.

Em 21 anos de CTB, já tivemos mais de 35 leis que o alteraram e publicadas mais de 770 resoluções do Contran. Então pergunto: tantas regulamentações têm refletido positivamente na diminuição dos acidentes de trânsito?

Portanto, penso que devemos concentrar nossas forças naquilo que REALMENTE é relevante para a melhoria do trânsito e não ficar criando OPORTUNIDADES para parlamentares lobistas.

——-

CLIQUE AQUI E INSCREVA-SE PARA ASSISTIR VÍDEOS EM NOSSO CANAL – GRÁTIS